Perturbações neurológicas funcionais: um guia para pacientes

incluindo pseudocrises não-epiléticas,  doenças do movimento funcionais e outros sintomas funcionais

Hemi

neurosymptoms.org

Causas/mecanismos

Quais são as razões que levam a alterações na função do sistema nervoso descritas na página anterior?

 

A resposta parece ser que há várias potenciais razões pelas quais um indivíduo se torna mais propenso ao desenvolvimento de sintomas funcionais. Estas podem dividir-se em:

 

Fatores predisponentes: aconteceram antes do início dos sintomas;

 

Fatores precipitantes: acontecem em simultâneo com o inicio dos sintomas;

 

Fatores Perpetuadores: acontecem após o início dos sintomas

 

Estes fatores podem ser

 

Biológicos: em que, por exemplo, há uma vulnerabilidade genética para os sintomas;

 

Psicológicos: por exemplo quando a pessoa se preocupa com uma cefaleia com receio que seja um tumor cerebral, o que frequentemente favorece o agravamento da cefaleia.

 

Sociais: por exemplo, situações de insatisfação com o trabalho, os colegas ou o patrão, que tendem a perpetuar sentimentos de frustração.

 

Isto é chamado de "modelo biopsicossocial de doença". Não se aplica apenas a sintomas funcionais. Uma doença tem dimensão social e psicológica. Alguém com esclerose múltipla que se sente mal ou tem problemas financeiros tende a sentir-se pior do que outro doente com esclerose múltipla que não se sinta infeliz ou não esteja sujeito a outros fatores de stress.

 

Os nossos modelos pelos quais os sintomas funcionais surgem estão incompletos. Muitos destes fatores tendem a ser relevantes para muitos outros sintomas.

 

Muitas vezes é pouco claro o porquê de alguém com certos fatores de vulnerabilidade desenvolve défice motor funcional de um lado do corpo ou começa a notar um tremor.

 

Algumas explicações sobre o porquê destes sintoas surgirem são discutidos nas páginas de sintomas respetivas deste website.

 

A tabela abaixo mostra alguns fatores que podem ser relevantes para o desenvolvimento de sintomas funcionais. Estes fatores e a sua importância relativa variam imenso de pessoa para pessoa.

É especialmente importante definir que:

 

O DOENTE NÃO PRECISA DE SE SENTIR STRESSADO, DEPRIMIDO OU ANSIOSO PARA DESENVOLVER SINTOMAS FUNCIONAIS.

 

UMA INFÂNCIA PROBLEMÁTICA OU SITUAÇÃO SOCIAL ADVERSA NÃO É CONDIÇÃO NECSSÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE SINTOMAS FUNCIONAIS.

 

Há muitas pessoas nas quais estes fatores podem ser relevantes no estabelecimento de vulnerabilidade, que não desempenham a mesma pessoa. É um erro achar que todos estes fatores discutidos têm necessariamente de estar presentes nos doentes com perturbação funcional.

Porquê que isto aconteceu?...

Biopsychosocial

Se no passado viveu uma experiência menos positiva na sua vida, pode sentir que a situação é irreversível tendo em conta que 'o mal já foi feito'. Este não é o caso. Assim, o tratamento habitualmente foca-se nos fatores perspetuadores de doença.

 

Sugere-se a consulta da tabela para análise de fatores de risco pessoais potenciais e se haverá alguma intervenção que possa ser feita neste campo.

 

Para ler mais sobre casos individuais clique aqui.