Perturbações neurológicas funcionais: um guia para pacientes

incluindo pseudocrises não-epiléticas,  doenças do movimento funcionais e outros sintomas funcionais

Hemi

neurosymptoms.org

Alterações funcionais da marcha

O que são perturbações funcionais da marcha

 

Uma doença do movimento funcional designa um movimento anormal ou posicionamento de parte do corpo devido ao funcionamento inadequado do sistema nervoso (mas não devido a uma doença neurológica subjacente).

 

Uma variedade de problemas de marcha pode ocorrer como parte de um distúrbio funcional. Tal como acontece com todos os distúrbios funcionais, estes não ocorrem porque as pessoas andam assim de propósito. O movimento e a marcha são involuntários.

 

Em 2016, Miranda Licence, de Queensland na Austrália, fez um curta-metragem descrevendo a sua experiência com distúrbio funcional da marcha com o seu tio Jeff License, da ABC Open.

Jeff e Miranda permitiram que a sua história fosse compartilhada neste site.

 

Este filme diz muito sobre como é ter um distúrbio de marcha funcional e como o tratamento pode ajudar. Abaixo, poderá ler mais sobre os diferentes tipos de perturbações funcionais da marcha e o seu tratamento.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estes são os tipos mais comuns de perturbação funcional da marcha

 

1. Arrastar a perna com défice motor funcional

 

Uma das perturbações funcionais mais comuns da marcha é a marcha de "arrasto" vista em pacientes com fraqueza motora funcional de uma perna. Poderá ler mais sobre défice motor funcional das pernas aqui.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pessoas com este tipo de fraqueza na perna acham que a perna se arrasta no chão. O tornozelo é muitas vezes virado para dentro ou para fora, como nesta foto. Algumas pessoas sentem que o seu pé está preso ao chão quase como um íman.

 

2. Quedas repentinas do joelho. Normalmente, isso também está associado a fraqueza funcional numa ou nas duas pernas. Às vezes, se ambas as pernas se dobram ao mesmo tempo, isto leva a uma queda súbita "drop attack", embora seja importante reconhecer que pode haver outras causas, como patologias do joelho.

 

3. Marcha lenta (andar sobre gelo). Este é um andar geralmente instável, onde a pessoa dá pequenos passos quase como se estivesse a "andar no gelo". As pernas são bastante rígidas e os pés afastados. A razão pela qual as pessoas adquirem o hábito de andar assim é muitas vezes porque tiveram uma queda e estão preocupadas com futuras quedas.

 

4. Marcha cambaleante. Este é um tipo de marcha em que a pessoa balanceia de um lado para o outro, especialmente na parte superior do corpo, e as pernas tendem a corrigir os movimentos. A pessoa parece que vai cair, mas curiosamente isso raramente acontece.

 

5. Marcha hipercinética. Os distúrbios funcionais do movimento podem, às vezes, causar movimentos excessivamente dramáticos dos braços, tronco ou perna. Algumas pessoas têm estes particularmente quando andam.

 

6. Marcha agachada. Esta é uma forma rara de distúrbio funcional da marcha em que a pessoa parece estar agachada. Isso é frequentemente associado ao medo de cair.

 

 

Outro problema é a chamada astasia. Na astasia, pessoa tem dificuldades em ficar parada no mesmo local, mas pode andar normalmente. Isto pode diagnosticado se as alterações desaparecem quando a pessoa está distraída (por exemplo, a jogar um jogo no telemóvel ou a adivinhar alguns números escritos nas suas costas), característica conhecida como distractibilidade e comum a outras doenças funcionais.

 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico de uma perturbação funcional da marcha geralmente é feito por um neurologista. Pode ser um diagnóstico difícil, porque requer conhecimento especializado da ampla variedade de perturbações do movimento devidas a doenças neurológicas, muitas das quais são incomuns ou mesmo bizarras.

 

Até os neurologistas devem ter um cuidado especial ao diagnosticar as alterações funcionais da marcha. Sabemos, por estudos, que as alterações da marcha são mais comumente diagnosticadas como funcional do que as outras perturbações funcionais.

 

Recursos que ajudam no diagnóstico incluem:

 

1. Evidência de sinais positivos de tremor funcional ou fraqueza funcional do membro no exame físico

2. Movimentos frequentes e uma marcha que não é económica (ou seja, em que se dispende mais energia do que na marcha normal)

3. Caminhar melhora quando se anda de costas

4. Caminhar melhora ao mudar o ritmo ou a velocidade da marcha

5. Caminhar melhora quando se ouve música

6. Problemas com o equilíbrio em pé melhoram quando a pessoa é solicitada a realizar outra tarefa, como adivinhar números escritos nas suas costas ou a jogar um jogo no telemóvel.

 

Tratamento

 

Fisioterapia por alguém que conheça as doenças neurológicas funcionais é a parte mais importante do tratamento.

 

Algumas das coisas que podem ajudar podem parecer algo bizarras quando lidas. Mas todas elas são projetados para ajudar o cérebro a recuperar o movimento "automático" numa situação em que o padrão normal de movimento foi "corrompido".

 

1. Tente cantarolar uma música ou cantar uma música enquanto caminha. Isso ajudou a caminhar melhor?

 

2. Tente andar de costas se tiver dificuldade em andar. Andar para trás é um 'programa' diferente no cérebro e poderá ser surpreendido ao descobrir que é mais fácil do que andar para frente.

 

3. Corra. Para pacientes que são capazes fisicamente, às vezes, uma ligeira corrida facilita o movimento. Isto é um pouco parecido com alguém que tenha uma gaguez e dificuldade em falar, mas que é capaz de cantar normalmente.

 

4. Se está a tentar sair a andar e não pode ficar parado, experimente mudar o seu peso de um lado para o outro durante alguns segundos antes de continuar.

 

Marie, uma paciente da República Checa, compartilhou este vídeo da sua marcha, que é do tipo “pequeno passo, pernas duras” (número três na lista acima). Poderá ler a história completa aqui.

 

 

Legdrag1 Legdrag2